.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Segunda-feira, 31 de Maio de 2004
Não há palavras...
Sùbitamente,

como tempestade em pleno Verão,

veio a notícia dorida.

Sem tempo nem espaço,

para guardar e dominar sensações,

ficou o espanto, a mágoa, a revolta incontida...

... um mar de emoção.

Que dizer?... Como dizer?...

Há dores que nos amarram ao silêncio

e nos deixam sem palavras de evasão.
publicado por DespenteadaMental às 10:24
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 30 de Maio de 2004
Poema inacabado
Jorge Abot.jpg</p>


Trago, em mim, um poema inacabado.

Um verso por cumprir impede o fim.

Onde buscá-lo, se não existe em mim?...

Onde andará tal verso tão negado?...


Vive o poema como quadro abandonado

a meio de um traço... Talvez, quem sabe?... assim,

quando eu menos espere, vislumbre, enfim,

o traço de feição, o verso desejado.



(imagem: Quadro de Jorge Abot - http://www.latinarte.com/)

publicado por DespenteadaMental às 15:13
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 29 de Maio de 2004
Mulher (fotografia e negativo)
Fotografia e negativo.jpg</p>


Cantam-te o corpo, cantam-te os amores,

cantam-te as noites e as madrugadas...

(pelo silêncio dos teus dissabores,

mostra um sorriso... são pequenos nadas!...)


A tua vida inspira o poeta,

mas os seus versos só falam de amor...

(deixa que a rima saia doce, quieta...

para quê, agora, falar-se de dor?...)


Todos te pedem ternura e alento,

e, nas más horas, a tua presença...

(esquece que pr’a ti nunca têm tempo,

não desiludas quem te julga imensa!...)


... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...


Se já te cansa este faz-de-conta

- prisão em verso, lírica de afronta -,

que te reduz ao que convém que sejas,

diz aos poetas do teu conformismo

que hoje queres versos, mesmo sem lirismo,

em que MULHER rime com o que desejas.

publicado por DespenteadaMental às 21:09
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Maio de 2004
Re(vi)ver
bgimage31.jpg</p>


Penso em ti

e relembro as palavras, os gestos, os sorrisos

- pérolas de um colar desfeito,

caídas, uma a uma, na minha mão;

traços dispersos de uma pintura inacabada;

fios de luz com que a memória me compensa

e torna mais suave a solidão.


Recordando,

ignoro a realidade e o ritmo dos dias,

de ontem faço hoje e amanhã,

... prolongo o que foi breve... adio o fim.


Nesta troca de tempos busco um tempo,

em que a emoção, que ainda persiste,

esmoreça e, finalmente, morra em mim.




(imagem: http://www.012webtools.com/)

publicado por DespenteadaMental às 21:27
link do post | comentar | favorito
|
Quando eu for pequena...
Quando eu for pequena, não quero ser nada do que antes quis... Nada, mesmo!</p>

Estando o Mundo como está, quando for pequena só quero uma coisa, que é, exactamente, o oposto do que queria antes: – Não quero ser grande!

publicado por DespenteadaMental às 00:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Caminhos ínvios
Há um ditado irónico que diz: - Não é vergonhoso roubar. Vergonhoso é roubar e deixar-se apanhar.</p>

O poder americano deu uma ordem séria (!!!) à tropas no Iraque, proibindo o uso de telemóveis com capacidade de captação de imagens.

Para eles, o ditado deve ser: - Não é vergonhoso torturar. Vergonhoso, infame, bárbaro é torturar e deixar-se fotografar.

publicado por DespenteadaMental às 00:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Maio de 2004
Ciúme
large spines_blog.jpg</p>


ciúme

de todas as bocas

que beijaste

de todas as línguas

loucas

que tocaste

dos lábios

todos

que roçaste


...e como sofro

meu deus

por cada um

e todos

esses beijos

prenúncios de carícias e desejos

que foram de outros

e nunca serão meus...


(poema: J. M. Restivo Braz - Artesão de Palavras)

(imagem: Álbum da natureza)

publicado por DespenteadaMental às 21:45
link do post | comentar | favorito
|
O seu a seu dono... sobretudo quando se trata de nome ou sobrenome...
Vi, hoje, até porque tenho andado longe do blog, que troquei o sobrenome ao Eng.º Edgar, a quem me referi no artigo sobre a ponte de Entre-os-Rios. Para quem o conhece(u) era óbvio que falava de Egdar Cardoso. </p>

O engraçado (como o nosso subconsciente é complexo e maravilhoso...) é que, ao reler, me veio à ideia Cardoso e foi, então, que vi que o que "lia" não batia com o que via.

Edgar Correia é outra personalidade, mas o seu destaque, tanto quanto sei, é a nível político-partidário.

Para ambos, o meu pedido de desculpa.

publicado por DespenteadaMental às 19:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds