.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Quinta-feira, 22 de Julho de 2004
Quem é?... Quem é?...
Saintino.jpg


Tem ar de “enfant terrible” retardado
e jeito de D. Juan fora de prazo.
Nos modos – palhaço-rico aperaltado.
Na mente - pobre palhaço, fala ao acaso. </p>

Tão ao acaso que até, de si, diz ter
o destino traçado nas estrelas.
Pobres luzinhas, que lhe ficam a dever
o facto de, agora, ninguém mais querer vê-las.

É tão cheio de si, tão sapo inchado
e tão fala-barato, mas tão tan-tan...
“Concertos para violino” – um achado! -
compostos só p’ra ele, por Chopin.


(imagem: "Santana/Sem tino=Saintino" ou logotipo de um futuro "Chopin'g Center"

publicado por DespenteadaMental às 00:32
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Julho de 2004
Não choro...
Sta Maria falls.jpg


não choro... são os meus olhos que se afogam em mágoa,
se uma dor ou uma tristeza se desfaz em água
e, lavando-me a alma, vem desaguar,
como corrente,
no meu olhar
- esta foz ardente -,
que não a prende
nem aprende
a ser represa dos meus rios interiores.</p>


(imagem: “Sta Maria falls” de Ricardo Monteiro em Álbum da natureza)

publicado por DespenteadaMental às 12:09
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Julho de 2004
Noites de Junho...
LeonidAll.jpg


</p>

Eram lindas as noites de Junho, tão naturais,
quando não havia néons nem placards digitais
e a noite podia ser noite, com toda a magia,
tão bela que fazia pena desfazer-se em dia.
Eram noites em que o céu baixava à minha altura,
aveludando as visões e os ruídos da noite escura,
e de um pirilampo fazia nascer uma estrela,
que eu guardava, fechada na mão, para não perdê-la.
Não havia agressões de luz, só luzes feéricas
ou apenas havia as das iras atmosféricas,
que, no pano de fundo da noite, se nos ofereciam,
- sem artifícios de efeitos ou truques - tal como nasciam.
Adoro as noites de Junho, tão naturais...
Ignoro as noites de Junho com luzes de mais...


(Imagem: “LeonidAll” em http://freestockphotos.com/SKY/)

publicado por DespenteadaMental às 18:18
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Julho de 2004
Quadras do nosso "desenquadramento"...
venus.jpg

... ou a Mulher ao longo do tempo... ontem e hoje, ainda...</p>


Parece fácil ser mulher e ser feliz,
sendo tal como sou, sem artifícios,
mas isso exige, de mim, ser aprendiz
da vida, resistindo aos vossos vícios.

Num mundo modelado à vossa imagem,
em que a dificuldade tenta à cedência,
cada dia é quase um acto de coragem
assente em lucidez e resistência.

Por mim, passaram várias escolas de pintores,
a que inspirei imagens múltiplas e belas.
Criaram-me em mil cores e sub-cores,
mas limitaram-se, tão-só, a criar telas.

Na dura pedra que cede ao viril traço
do escultor, que, de mim, esculpe uma visão,
fica apenas um modelo a escopro e maço
em que supõe estar toda a minha dimensão.

Na arte escrita, inventaram-me em palavras,
sendo umas feitas de aço e outras de mel,
mas não passaram de descrições frustradas,
não passaram de uma imagem no papel.

Com a sétima arte, com o movimento,
dão-me a harmonia no fluir da sequência,
mas não há um só “flash”, um só momento
que ultrapasse o contorno, vá à essência.

Não me analisem, não tentem descrever-me
à luz de velhos preconceitos e clichés,
nem me critiquem por recusar conter-me
nos vossos redutores quês e porquês.

Não sou eu que desrespeito definições.
Não sou eu que vou além do conveniente.
Sois vós, homens, que, nessas divagações,
ignorais o que vos escapa e é diferente.

(imagem: "Vénus" - http://www.forgamesetc.com/images/artwork/)

publicado por DespenteadaMental às 18:04
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Julho de 2004
À chuva
Rainy day_FreeFoto com.jpg


Esta chuva miúda, esta oferta do céu que me molha o rosto,
esta água de ontem que, hoje, retorna de tantas origens:
- de um rio longínquo, bebido pelo ar a caminho do mar;
- de um corpo suado por um sol dardejante e um trabalho mal pago;
- de um charco que a terra abrigou, que se evaporou e em chuva voltou;
- de lágrimas de dor, de alegria, de raiva, de riso, de olhos cansados;
- de orvalho docemente bebido em tufos de flores ou em bravos silvados;
- de uma bela fonte mourisca - nascente vencida e que se rendeu;
- de um alto cume nevado que, dando-se ao sol, uma nuvem bebeu...
De tantas origens me chega esta chuva, esta água em viagem,
que eu viajo pelo mundo, sem sair do lugar, sem comprar a passagem.



(imagem: “Rainy day” – FreeFoto.com - http://www.freefoto.com/index.jsp)
publicado por DespenteadaMental às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 17 de Julho de 2004
A ambivalência do silêncio
algas.jpg


Como é bom o silêncio,
quando prefiro
estar a sós comigo
e me retiro
para o meu mundo interior,
onde, sozinha, me aquieto, me abrigo
e, sem quaisquer defesas, sem pudor,
me revelo, me revejo, me digo e me desdigo.</p>

Como é mau o silêncio,
quando te chamo,
te peço que me ajudes
e te reclamo
o apoio, o ombro, o abraço
e, como mar refluindo, me desiludes,
deixando-me um rasto de sargaço,
sem vida, ressequido... como as tuas atitudes.


(imagem: "Algas" - secção de foto encontrada em http://www.ceamsa.com/Espanol/RawMaterial.asp)

publicado por DespenteadaMental às 20:50
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Julho de 2004
“O sentir da tua ausência”
(soneto a pedido e sujeito a mote ou como dar a volta ao texto)</p>

Quis escrever-te um soneto - a veia... nada!
Quis versos de “pé-coxo” - faltou a muleta!
Quis “redond’ilha” - e a ilha era quadrada!
Quis rima branca - saía rima preta!

Desesperei, pois não encontrava um jeito
de dizer que a tua ausência foi tormento.
Era difícil, porque dentro do meu peito
a saudade não morou nem um momento.

Passou uma semana, semana e meia
e nada de jeito me vinha à ideia,
até que, às tantas, perdi a paciência...

E não sendo este o soneto que pediste,
pelo que atrás fica descrito, tu já viste
o que sofri com “o sentir da tua ausência”.

publicado por DespenteadaMental às 17:55
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Julho de 2004
Haja quem seja...
El arbol de la Vida.jpg
</p>


Há dias assim,
sem início e sem fim,
sem meio que os defina.
Vêm por inteiro,
como nevoeiro,
que envolve e domina.

Mas há outros dias
em que as alegrias,
as pausas e as pressas,
como chuva forte,
nos levam sem norte
e com a alma às avessas.

Entre a confusão,
a exaltação,
o medo e a coragem,
assim vai a vida,
como água em corrida,
sem mar e sem margem.

Neste turbilhão
cheio de emoção,
inquieta ou serena,
há quem se divida:
- É tão longa a vida!
- Que vida pequena!

Se um deus tudo rege
e a todos protege
como filhos seus,
vendo esta diferença,
esta querença e não-querença,
eu não queria ser deus.



(imagem:"El árbol de la Vida"-http://www.conexioncubana.net/arte/Luis_Miguel_Rodriguez)

publicado por DespenteadaMental às 17:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Julho de 2004
Interpretação à letra...
casinha cogumelo.jpg


... ou como a diversidade vocabular de um garoto pode surpreender-nos.</p>

Tarde de primavera. Na sala, um vasinho com uma nova planta, toda ela verdura, frescura, humidade e fragilidade. E intimidade, também, porque não é fácil deixar que vejamos o emaranhado fino que lhe suporta as pequeninas folhas.
Sempre que vejo uma plantinha destas, nasce dentro de mim, no meu recanto mais infantil e sonhador, um Gulliver, que se imagina a olhar, de cima, uma floresta frondosa. E gosto de imaginar o que seria ver aparecerem pequeninas criaturas, poder segui-las, ver as suas minúsculas casinhas de cores brilhantes (sim, teriam de ter cores brilhantes, transparentes, como eram (são?) os rebuçados da “heller’s”).
Essas casinhas parecem cogumelos, daqueles bem rechonchudos, e têm janelas tão pequeninas que o bico de um lápis seria excessivo para desenhá-las.
Cada casa tem um jardim e uma horta. Sob as minúsculas árvores de fruto, há um cão que corre, louco, atrás de uma borboleta mais afoita.

Plim!... A borboleta fugiu, o cão ladrou e desfez esta minha visão onírica.
Plim!... Afinal, o som vinha da campaínha da porta. Alguém enviado por um deus menor, para pôr fim ao meu sonho...
Fui atender. Era o meu sobrinho, que mora no piso de cima, com toda a sua vivacidade e curiosidade.
Percebendo, pelo meu olhar, que era na sala que eu estava quando ele me despertou, sem precisar de confirmar, correu para lá.
- Tia, tens uma flor nova?
- É nova, mas não é flor, nem vai dar flores... só folhas e pequeninas, como vês...
- Como se chama?
- Chama-se “não-te-metas-na-minha-vida”.
- Diz lá como se chama...
- É assim, como te disse: - “não-te-metas-na-minha-vida”.
- Né, nada... - dizia ele, com um pé na dúvida sobre o que eu dissera e outro na dúvida sobre o que lhe parecia ser o meu ar sério, no qual ele costumava confiar.
- Ai!...
Esta minha interjeição era o que faltava para o convencer.
Coloquei o vasinho no chão e sentámo-nos a olhar para a plantinha.
Então, disse-lhe o que imaginava ver. Os olhos dele andavam cá e lá, do vaso para a minha cara e vice-versa e com um brilhozinho bom de ver.
Penso que ele também estava a ver as casinhas.

Plim!... Hesitei. Seria a borboleta dele que fugira, o cão dele que ladrara, o sonho dele que fora interrompido?... Ou seria...?...
Era, novamente, a campaínha da porta. Desta vez, era o meu irmão que vinha buscar o filho.
Nem precisou de o chamar. O garoto, logo que percebeu quem era, correu ao seu encontro, não para ir-se embora, mas para levar o pai a ver a planta.
- Olha, pai, a tia tem uma... uma planta nova... Tia, diz ao meu pai como se chama...
- Diz tu...
- Não me lembro...
- Ainda há pouco te disse e já não te lembras?!...
- É “não-me-chateies”???...
Foi uma gargalhada em uníssono, minha e do meu irmão, enquanto o garoto, sem se importar com a razão do riso, já estava, encantado, junto da planta, talvez vendos os meninos regressarem do colégio às suas casas em forma de cogumelo e com cores de rebuçado. Os sabores também eram de rebuçado, certamente.


(imagem: encontrada em http://www.clickcasa.com.br/images/288x288/1487.jpg)


publicado por DespenteadaMental às 18:36
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 13 de Julho de 2004
Uma conta e vários reencontros
Convento de Mafra.jpg



Chegar a Mafra a meio da manhã de um dia de sol, sentir uma brisa (isto, quando o vento acorda preguiçoso, pois Mafra é uma terra ventosa, dizendo-se, por graça, que não é de admirar, uma vez que tem lá o Convento), mas, dizia eu, chegar, sentar na esplanada, pedir uma bica e ficar a ouvir o Xico Zé (Francisco José Alves Gato) a ensaiar, uma nova ou uma velha peça musical, no carrilhão é um gosto e um agradável reencontro com memórias da minha infância.
Bom... era, porque não sei se o Xico Zé continua a “teimar” em tocar o carrilhão. Que “teimoso” que ele teve de ser para conseguir que lhe concedessem o privilégio de dar uso e vida a tão vetusto instrumento, que, penso eu, sem uso, estaria condenado a paralisia, por artroses ferruginosas e não só, como, aliás, já esteve.
Esta “teimosia” recebeu ele de herança pelo lado paterno.
O seu pai, Francisco Alves Gato, foi, desde que me conheço como gente e em Mafra, o carrilhanor oficioso. Quando, após longos anos de quietude degradante o carrilhão (um dos carrilhões, porque são dois) foi recuperado, alguém com comprovada, altíssima e finíssima visão das coisas decidiu que, para tocar o carrilhão, era necessário ter o curso de carrilhanor, o que não era o caso do pai do Xico Zé, que era um amante e executante de piano, dando-se ao luxo de transpor músicas deste para carrilhão, tal como o filho, depois, fazia (faz?). Assim, por falta de curso, o senhor viu-se impedido de continuar com este trabalho de amor, embora o tivesse feito durante muitos anos.
Faz lembrar um conto, creio que de Ibsen, sobre o ex-sacristão da Abadia de Westminster.
Lembro-me de que o curso foi concretizado e entre os alunos estavam o Xico Zé, o António Cunha, um dos padres do seminário de Mafra e mais outras três ou quatro pessoas.
Acabado o curso, com aprovações, penso que uma delas foi a do Xico, quem fez os concertos de verão foi o francês Jacques Lannoy. Embora se trate de uma sumidade nesta área, creio que o factor determinante foi a triste e velha ideia de que os estrangeiros são sempre melhores do que nós – complexo de pobre... de espírito.
Foi de tal forma clamorosa esta situação, que o Grupo Cénico de Mafra - de que tive o privilégio de fazer parte -, dirigido, movido e motivado pela saudosa Manuela Paulino, que escolhia e ensaiava as peças de teatro e escrevia as letras com que satirizava as situações anedóticas da vila e arredores, letras que eram cantadas com músicas que andavam na boca de toda gente, nesse ano (meados da década de 60) teve um número dedicado ao carrilhão. Tanto quanto ainda me lembro, dizia algo como:
</p>

Dizem, não sei se isto é certo,
a ferrugem deu-lhe abalo
e quem passar ali perto
pode apanhar com um badalo.
Para o caso remediar,
acreditem que não minto,
terá de ressuscitar
o D. João V.

... ... ... ... ...

O mafrense lamentava
que os seus sinos não tocassem
e a todos implorava
que o caso remediassem.
A Gulbenkian entendeu
seus lamentos, seus clamores
e um curso promoveu
para carrilhanores.

E o carrilhão noite e dia badalou - dó ré mi fá sol lá si dó
Desgraçado muito cansado ficou - dó ré mi fá sol lá si dó
Três semanas o pobre nisto levou - dó ré mi fá sol lá si dó
E p’ra quê, se ao fim de tanto ré mi fá,
só toca o Lannoy, só toca o Lannoy?!...


Penso não ter sonhado que o Xico Zé, em tempos, precisou de recorrer a uma artimanha, para conseguir aceder ao local onde o carrilhão está instalado e poder ensaiar e tocar.
Até poderá parecer que ele precisaria de tal actividade para sobreviver, mas não é verdade.
Fazia-o por gosto, tal como o pai sempre o fizera.
Por profissão fazia algo bem diferente, embora também localizado nas alturas – era piloto da TAP.
Assim se deduz que não era ele que precisava do carrilhão, mas, sim, o carrilhão que precisava de estar entregue à gestão de alguém menos provinciano, de alguém que acreditasse na capacidade do jovem carrilhanor.

Voltemos ao dia de sol e com uma brisa soprando ligeiramente o pó do Largo do Convento, como vulgarmente chamamos ao que julgo ter como denominação oficial, Terreiro D. João V.
Cheguei a Mafra, sentei-me na esplanada fronteira ao Convento, que hoje se apresenta, como se vê na foto, com um ar claro e jovial - dizem que é o aspecto original... não sei, apesar da idade, não sou do tempo das suas origens e sempre o conheci cinzento e sisudo - e fiquei a ouvir o ensaio de carrilhão, enquanto fazia tempo para ir almoçar, antes de dirigir-me ao hospital, para visitar a minha mãe.
Ali estive, ouvindo e lembrando o tempo em que o som do carrilhão envolvia as noites de verão numa magia tão grande que não sei descrever. Saíamos de casa e vínhamos passear para o Largo. Ainda não havia tv, felizmente, porque, se houvesse, certamente que tal passeio não nos arrancaria à estupidificação encantatória do aquário-seco e não apreciaríamos, nem registaríamos a beleza de tais concertos.
Eram noites mágicas, mesmo, porque a iluminação do Largo não era forte, o que fazia com que o Convento ficasse na penumbra e, por consequência, as altas torres em que os carrilhões estão instalados em maior penumbra ficassem, pelo que o som parecia vir do céu. Só mesmo ouvindo... mas à noite!

Acordei deste sonho-de-olhos-abertos e era hora de ir até ao restaurante, para almoçar. Lá fui.
Quando me aproximava da porta, vindo do lado oposto, vi um sujeito que se encaminhava, também, para lá. Cheguei primeiro e nem precisei de fazer uso da hipotética gentileza dele – entrei à frente. Dirigi-me para uma das mesas e sentei-me. Ele fez o mesmo, noutra mesa, claro! Ainda nem nos tínhamos familiarizado com a cadeira, já o empregado se me dirigia a perguntar se não me importava que aquele senhor se sentasse na minha mesa, porque o restaurante, embora estivesse vazio, tinha muitos clientes e era um prejuízo (ele não disse isto, mas era isto o que o movia) duas mesas, cada uma delas só com uma pessoa. Olhei melhor para o futuro companheiro de mesa e não vi nada que pudesse pôr em causa o sossego da minha refeição e disse ao empregado que, por mim, tudo bem. A mesma proposta foi feita ao outro comensal que, de imediato, se levantou e veio sentar-se à minha frente. Boa tarde... Boa tarde... e ali ficámos mudos e quedos que nem penedos, esperando que o empregado trouxesse as ementas.
Talvez para dar um ar de à-vontade, o meu parceiro de mesa pegou no jornal abriu-o, como se levantasse um muro entre nós, e começou a ler, penso eu, porque não o posso garantir. Ao ver que o “trunfo” era aquele, resolvi “assistir” e tirei o livro que levava comigo, para me ajudar a passar os tempos de espera, e comecei a ler, mesmo. O curioso é que o livro era “O macaco nu” de Desmond Morris, no qual já lera algo sobre a dificuldade que os humanos têm em enfrentar o olhar do seu semelhante, se for um desconhecido, desviando os olhos, afivelando um ar sério, cortando qualquer contacto visual. Sorri-me e continuei a “assistir”.
Às tantas, do lado de lá da barricada de papel, o leitor de jornal suspendeu a leitura, baixou a “muralha”, olhou para o que eu estava a ler e comentou que também já lera aquele livro. Estava assinada a paz daquela guerra muda.
Começámos, então, a conversar, enquanto ainda esperávamos que chegasse o que tinhamos escolhido. Por fim, o almoço começou a desfilar e nós sempre a conversar. Veio a sobremesa e nós já sabíamos que trabalhávamos, ambos, em Lisboa e em que empresa cada um exercia a sua actividade profissional. Já tinhamos comentado a situação política, o retrocesso que a Revolução dos Cravos sofrera (estávamos no início da década de noventa). Já tinhamos falado das nossas simpatias e antipatias político-partidárias, das nossas preferências em leitura, música, etc...
Bebemos o café, avançámos mais umas opiniões e pedimos as respectivas contas.
Já em ar de despedida, enquanto o empregado não trazia a conta, o meu recente aliado perguntou-me se eu era de Mafra, ou seja, se nascera em Mafra, se morava lá, se estava de visita ou de passagem...
Disse-lhe que não era de (não nascera em) Mafra, mas que fora para lá muito criança, que morara lá muito tempo, embora muito entrecortado no que se referia a presença, pois, ainda criança e por morte do meu pai, saíra para um colégio interno, de onde só voltava a Mafra nas férias; que o meu pai, sim, morara lá desde garoto, que andara por várias cidades por motivos profissionais e que regressara a Mafra, onde acabara por “ficar”, pois se suicidara.
Nesta altura ele perguntou-me se o meu sobrenome era M... Respondi que sim, ao que ele acrescentou que, então, me conhecia. Surpreendida, disse-lhe que, com esse sobrenome, talvez conhecesse as minhas primas, que moravam e sempre tinham morado em Mafra. Não, disse ele, com este sobrenome e com o que você relatou sobre o seu pai, é você que eu conheço, aliás, conhecemo-nos, eu sou o Artur A...
A vida propicia cada reencontro e em tão inesperadas circunstâncias que não pára de surpreender-me.
O Artur A... era, nem mais, nem menos, o nosso amigo de brincadeiras. Ele e a irmã. Morámos em vivendas que ficavam uma frente à outra, partilhámos brinquedos e brincadeiras, estadias na praia, lanches, ora na nossa casa, ora na dele, os nossos pais visitavam-se, mutuamente, enfim...
Tinham passado 37 anos. Nunca mais nos víramos.
Se o empregado do restaurante não fosse um económico gestor de recursos, não teríamos tido a oportunidade de uma refeição animada e com uma conversa interessante.
Se o empregado não fosse tão lento a trazer a conta, apesar do almoço alongado e animado e da conversa interessante, ter-nos-íamos despedido com uma ideia mutuamente favorável um do outro, mas sem sabermos quem éramos.
Foi uma conta que paguei com redobrada satisfação.


(imagem: "Convento de Mafra" - http://www.btinternet.com/~jimperkins/mafra.jpg)

Concertos de Carrilhão:
- Todos os Domingos às 16h (segundo informação da C. M. de Mafra)


publicado por DespenteadaMental às 10:59
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds