.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Sexta-feira, 29 de Abril de 2005
Arte única
The flight_Bill Stephens_art com.jpg


Há no voo das aves o encanto
de obra única que vemos evoluir,
sem esquisso que nos reduza o espanto,
sem rasto que possamos repetir.



(imagem: “The flight” - Bill Stephens - art.com)

publicado por DespenteadaMental às 23:25
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Abril de 2005
A inveja
Envy wheel_T Lange_Art com.jpg


É mó que não pára nem se cansa
de moer em vão e numa andança
em que apenas se corrói,
porque em si mói.
No afã de tanto remoer,
roda louca até se desfazer
em pó
de ruim mó,
com que tenta cobrir aquilo que anseia,
se, além da vileza, o mais escasseia.




(imagem: “Envy wheel” – T. Lange – art.com)

publicado por DespenteadaMental às 22:47
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Abril de 2005
Aparências
Janelas_Ricardo Monteiro.jpg


Atrás de janelas apalaçadas,
quantas vidas vivem remendadas
a estopa, sobre o que antes foi veludo?
E quando, a certa luz, ficam espelhadas,
quantas vidas nelas replicadas
não passam de figuras de um entrudo?




(imagem: “Janelas” - de Ricardo Monteiro, autor de Álbum da natureza)

publicado por DespenteadaMental às 21:27
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Abril de 2005
25 de Abril de 1974
Mao_Antonio Pimentel_CC25A.jpg


E foi um despertar
que em tudo se inovou,
sem, antes, perguntar
se alguém autorizou.
E as ruas foram rios!
E as praças foram mares!
E os cantos mais sombrios
ganharam novos ares,
quando o sorriso entrou,
rasgando a escuridão
a quem se recusou
ao “sim”, quando era “não”.

Mas sob a alegria,
que nos banhou a todos,
escondeu-se a cobardia
nos mais profundos lodos,
qual verme que se acoita,
contorce e desespera,
enquanto não se afoita
a ser de novo fera.
Enquanto mina o fundo,
mantém à superfície
um séquito fecundo
na arte da sordície.

E já a fome grassa!
E já mingua o pão!
E já há quem nos faça
dizer “sim”, quando é “não”.

E já nos dói o riso!
E já nos cega a luz!
E já nos é preciso
levar, de novo, a cruz.

E já cansa o redil
que nos cerca de novo.
E já o mês de Abril
se abre, a custo, ao Povo.

E já vai sendo mês
de semear mais cravos,
antes que, uma outra vez,
sejamos novos escravos.



(imagem: “Mão” - ilustração de António Pimentel - Centro Cultural 25 de Abril)

publicado por DespenteadaMental às 14:04
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Domingo, 24 de Abril de 2005
Ao nono dia, além do previsto...
Laptop screen_Novastock_AllPosters com.jpg


Regressei!
Manda a gratidão e a cumplicidade que me explique. É o que vou tentar fazer.

No passado dia 8, ao publicar o ‘post’ diário, decidi dar-me uma semana de férias do ‘blog’, pelo que só voltaria a ‘trabalhar’ na 6ª feira seguinte, dia 15.
Não deixei qualquer informação sobre isso, pois não tinha a certeza de conseguir cumprir o que me propusera.
E não é que consegui?!...
E para além do previsto!...
Foi assim: O meu MSS (Monte de Sucata Sofisticada – designação carinho-sacárstica que atribuo ao PC) andava há uns dias com um comportamento estranho, embora aleatório.
Por vezes, parecia que ganhava vontade própria e, ao desligá-lo, “afirmava-se” como independente, isto é, mantinha-se a pé firme, obrigando-me a desligá-lo na fonte de energia. No dia seguinte a tê-lo desligado à maluca, o MSS nem sempre acatava a minha ordem de “on”. Ligava-o e... moita carrasco! Era como se estivesse amuado. À ordem de “off” sujeitava-se, como se só então compreendesse a ordem do dia anterior. Voltava a ordenar-lhe “on” e, então, nesta segunda tentiva lá condescendia em trabalhar.
Andávamos nisto de “on-off”, até que eu lhe disse que estava a ficar muito “onofre” para o meu gosto e, pelos vistos, não lhe agradou o comentário. A verdade é que no calendarizado (estou a falar bem!...) dia 15 o diacho do MSS não se sujeitou a qualquer ordem. Já nem “onofre” estava. Apenas informava que estava “stopado” em erro. Então, tive de recorrer ao MSSzinho (o portátil) que, na sequência do problema existente, só podia ligar-se à internet através do cartão do telemóvel, o que, como deverão imaginar, não dá para muitos e, menos ainda, extensos procedimentos. Problema de quem é pobre.
Foi esta a razão por que, além da semana de férias que me concedera e conseguira cumprir, me vi impedida de voltar mais cedo. Só ontem o meu sobrinho, que é o meu técnico particular, conseguiu alguma disponibilidade para vir resolver a questão. E em boa hora o fez, como sempre!

A todas as pessoas amigas que, deixando comentário ou enviando e-mail, me foram acompanhando e dando ânimo, o meu agradecimento e o meu pedido de desculpa, por esta ausência.
Ontem, já tarde, fiz algumas visitas, mas sem deixar qualquer sinal. Hoje, fiz mais umas tantas e deu para ver que que estou com muita leitura acumulada e a resposta a e-mails também.
Vamos ver quando é que consigo acertar o passo com a vossa produção.

Resumindo – cá estamos!



(imagem: “Laptop screen” – Novastock – AllPosters.com)

publicado por DespenteadaMental às 23:42
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
|
Sexta-feira, 8 de Abril de 2005
Reserva essencial
Stormy sea_Pieter Elder Brueghel_prints4all com.jpg

É quando a vida
nos faz navio perdido
em mar revolto
que o lastro adquirido
é tão vital
mantendo-nos a prumo
na busca de outro rumo
de onde se enxergue um porto
ou um areal.




(imagem: “Stormy sea” - Pieter Elder Brueghel - prints4all.com)

publicado por DespenteadaMental às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|
Quinta-feira, 7 de Abril de 2005
Pintura - uma janela para a vida
Vincent Dioh_11 Expo.gif

Vincent da Rocha Dioh, o menino pintor que referi, neste ‘blog’, em 10 de Junho e 8 de Julho do ano passado, vai realizar a sua 11.ª Exposição Individual de Pintura.

A localização, as datas e os horários são:


CLÍNICA DE SAÚDE INTEGRAL
Rua da Constituição, 1959 | Sala A | PORTO
Tel 228 328 047 | Fax 228 328 049

Inauguração dia 16 de ABRIL às 16h
De 16 de ABRIL a 30 de JUNHO de 2005
De Seg a Sex das 9h às 19h | Sáb das 9h às 13h


Do convite que, gentilmente, me foi enviado, permito-me transcrever:


“Breve apresentação da exposição de pintura “O Brinquedo Maravilhoso” de Vincent da Rocha Dioh

Abril de 2004
Zélia Rocha

A décima primeira exposição individual de pintura do Vincent, intitulada “O Brinquedo Maravilhoso”, é dedicada à Natureza e ao planeta Terra. Este, já foi o tema da sua sétima exposição “À Descoberta de um Mundo”, mas surge agora mais aprofundado e com facetas inexistentes na mostra anterior.
A presente exposição reúne obras a acrílico datadas de Abril a Agosto de 2004 e é constituída, na sua quase totalidade, de trabalhos sobre telas, e não sobre cartolinas, como ocorreu em todas as exposições precedentes. Este aspecto técnico é um marco na pintura do Vincent, que a partir de Julho de 2004 se exprime essencialmente sobre tela.
Esta mostra apresenta-se dividida nas seguintes séries: “Flores da Natureza”, “Mares”, “Reino Vegetal”, “Fúria da Natureza”, “Agonia da Natureza”, “Reconstrução do Planeta” e “A Nova Terra” e pretende contar a história do nosso planeta e do seu mundo natural.
Começa-se por recordar o esplendor e a vivacidade da Natureza de outrora em obras plenas de cor, vida e exuberância, tão características da pintura do Vincent. Surgem assim os trabalhos: “Flores”, “Deus Marinho”, “Floresta Amazónica” e “Fogo Purificador”, entre outros. Seguidamente, retrata-se o modo como o meio ambiente se foi degradando pela acção dominadora do Homem. As cores vivas dos quadros vão-se apagando tornando-se cada vez mais ténues e escuras, criando composições como: “Flor Nocturna”, “O Sacrifício das Árvores”, “Cinzas” e “Mar Morto”.
A falta de resposta da humanidade à crise ambiental em que o planeta se encontra, nomeadamente a continua emissão para a atmosfera de gazes com efeito de estufa e o consequente aumento da temperatura global do planeta, vai provocar, cedo ao tarde, o desequilíbrio extremo da Natureza traduzido por todo o tipo de catástrofes e epidemias. Assim surgem as obras: “Tornado de Sangue”, “Tempestade de Areia”, “Chuva Torrencial”, “Seca Extrema”, “Tsunami”, “Subida das Águas” e “Arca de Noé”.
O Homem continua preso na inércia dos seus hábitos, querendo manter um modo de vida que conduzirá a Terra, e por consequência, a si próprio, à morte. A recusa do controle da natalidade, a concentração demográfica em grandes metrópoles, o atraso no desenvolvimento de energias renováveis e não poluentes e na reciclagem rigorosa do lixo são exemplos de atitudes que á muito deveriam ter sido alteradas. A série “Agonia da Natureza” retrata o que se passará quando o ponto de não retorno for atingido. Contém quadros chocantes, intitulados: “O Dia Seguinte”, “Homem Moribundo”, “A Crucificação da Terra”, “A Crucificação do Homem” e “O Fim Deste Mundo”.
Felizmente que a história não acaba assim, seguindo-se a “Renovação do Planeta”, onde as tintas negras da série anterior são progressivamente drenadas nos quadros: “Reciclagem dos Escombros I e II”, “Reconstrução” e “Regeneração da Natureza”.
Por último, esta exposição termina com uma nota de esperança e alegria. Depois das difíceis dores do parto, nasce “A Nova Terra”, na qual as cores vivas e luminosas do Vincent voltam a estar patentes em obras plenas de esplendor, como: “Ressurreição” e “O Brinquedo Reconstruído”.
Possa esta exposição contribuir para uma maior tomada de consciência da situação actual do nosso planeta e do futuro próximo que se avizinha, de modo a que sejam cada vez mais numerosos aqueles que participem da fundação do novo mundo.”




Para mais informação sobre a vida e obra do Vincent, basta “passear” por
aqui.


(imagem: reprodução parcial do convite)

publicado por DespenteadaMental às 21:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 5 de Abril de 2005
Calma sabedoria
In the valley_Albert Bierstadt_prints4all com.jpg

Dá-se o sol em igual magnificência
à rocha que se firma, ao barro que amolece,
à nuvem que o encobre, ao rio que transparece,
e de tão longe o faz que até parece
tratar tudo com alguma displicência,
excepto o contraste, entre a sombra e a evidência,
que, à luz do meio-dia, desvanece.




(imagem: “In the valley” - Albert Bierstadt - prints4all.com)

publicado por DespenteadaMental às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Abril de 2005
Decepções inesquecíveis
Menus plaisir_Robert Savignac_prints4all com.jpg

Num dia de céu azul e sol brilhante,
no alto, um avião prendia o meu olhar
ao seu rasto, branco e esvoaçante,
que persegui, na tentativa de agarrar.
Contrariou-me um triciclo periclitante,
que aceitava ser ginete galopante,
mas que, à cautela, nunca aceitou voar.




(imagem: “Menus plaisir” - Robert Savignac - prints4all.com)

publicado por DespenteadaMental às 23:49
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Domingo, 3 de Abril de 2005
Os "jarrões"
Clown faces_Cynthia Hart_AllPosters com.jpg

Vivem na mira de conseguir um espaço
onde se exibam e em constante busca
de holofotes com bom ângulo de incidência
e contorcem-se mais do que um palhaço
que aposta na figura mais patusca,
p'ra ganhar a aprovação da assistência.
Não são dois ou três - são muitos mais -
e vários são os artifícios que dominam
- ora cantando em grupo, como jograis,
ora a solo, porque em grupo desafinam.
Afirmam as maiores mirabolâncias,
sem que o rosto denote qualquer esgar,
deixando-nos na maior das ignorâncias,
sem sabermos se é p’ra rir, se é p’ra chorar.
Atrás deles seguem outros figurões,
- araras e papagaios palradores -
que, usando chavetas e chavões,
lhes servem de descodificadores.
É uma classe satélite, dependente,
como carraça em cão abandonado
- se este encontrar dono que o sustente,
por muito mal que ladre, é comentado.
Vivem ambos do alegre faz-de-conta
que fazem falta, sem darem pelo erro,
que é um falar, que nem barata tonta,
o outro tocar, como viola num enterro.
E assim vão de braço dado e aos baldões,
no desfile interminável dos “jarrões”.
E nós vamos suportando o despautério,
fingindo que os levamos muito a sério.



(imagem: “Clown faces” - Cynthia Hart – AllPosters.com)

publicado por DespenteadaMental às 22:57
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds