.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2005
A tristeza
The saddest girl in town_Nicoletta.jpg


Vem de mansinho,
sem sinais de aviso.
Começa num olhar vazio,
numa ausência de vontade,
numa indiferença total.
Sem alarde,
instala-se em silêncio
e vai minando o ambiente que invadiu.
Já é tarde,
quando se percebe que chegou:
Fechou-se o livro,
calou-se a música que soava,
abandonou-se a janela preferida.
A tristeza que se preza quer-se inteira
e sem nada que a enfrente, amenize ou diminua.



(imagem: “The saddest girl in town” – Nicoletta)
publicado por DespenteadaMental às 23:00
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De DespenteadaMental a 26 de Outubro de 2005 às 23:25
Samartaime, Invade e envolve, como uma segunda pele. Abraço.
De Samartaime a 25 de Outubro de 2005 às 23:10
pois, a tristeza invade tudo! Bem labuta joana...
De DespenteadaMental a 18 de Outubro de 2005 às 21:49
Anjinho, Grata pelas palavras. Abraço.
De DespenteadaMental a 18 de Outubro de 2005 às 21:48
Ordisi, Mesmo com a pressa em empurrá-la para longe, certamente já se apercebeu de que é assim que ela nos toma de assalto - devagarinho e sem aviso prévio. Abraço.
De Anjinho a 18 de Outubro de 2005 às 01:28
Gostei do teu blog, muito simpático e o teu modo de escrever é muito subtil, gostei! :)
De OrdisiRaluz a 18 de Outubro de 2005 às 01:09
A sensibilidade dos poetas captura e sorve os cinzas, as chuvas, as mágoas e as dores mais intensamente do que nós, seres comuns, o fazemos. De dentro do nosso couro batido só podemos rogar para que ela passe tão rápida quanto o vento que desanuvia as tempestades. Beijos.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds