.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Quinta-feira, 10 de Novembro de 2005
Da mundividência e sua ausência

Human eye and sunset_Whitney and Irma Sevin.jpg

Lá, onde passei tempos de infância,
numa aldeia, ali, perto de Mafra,
era o ti’Jaquim a alta instância
local e com a última palavra.
Era sapateiro e Regedor,
mestre na arte da sovela,
no passar do sebo com rigor,
pr’a evitar ao fio qualquer querela,
quando ele cosia a gáspea à sola
já batida, e com tal preceito,
que, ao fender-lhe, em volta, uma virola
era um corte só, certo, perfeito.
Ora, o ti’Jaquim sabia tanto
de gáspeas, de solas e pessoas,
que tanto batia numas, quanto
às outras dizia das bem boas.
Chamava à razão o calaceiro,
dirimia zangas quanto a extremas,
levava a casar o trapaceiro
e os seus argumentos eram lemas.
E se o taberneiro, que não tinha
co’o martelo alguma afinidade,
“martelava” o vinho, logo vinha
um cascudo da autoridade.
Se uma vaca, às vezes, de teimosa,
fazia a pastagem predilecta,
comendo, ora a erva, ora a rosa,
ficavam, vaca e dono, de dieta.
Tendo o ti’Jaquim aceitação,
p’ra ser Regedor ou Presidente,
nunca se achegou ao rabecão,
prova de que era inteligente.
É que lá, no rio da sua aldeia,
não havia arraia que estendesse
o seu manto como panaceia,
se além da sovela se atrevesse.
Se a moldar a sola ele era audaz
e a tocar as “reses”, bom pastor,
não seria mais que capataz,
se ousasse ir além de Regedor.
Era o ti’Jaquim um sapateiro,
vendo muito além da meia-sola,
mais do que “avis rara” em cativeiro
circunscrita à área da gaiola.


O ti’Jaquim sapateiro foi Regedor da freguesia do Gradil, entre 1955 e 1960, pelo menos. Era um bom homem, junto de quem eu gostava de ficar a ouvir lendas, enquanto brincava com o gato, e a vê-lo trabalhar.



(imagem: “Human eye and sunset” - Whitney & Irma Sevin – AllPosters.com)

publicado por DespenteadaMental às 22:24
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De DespenteadaMental a 14 de Novembro de 2005 às 21:51
Casepagam, Há sempre um "ti'qualquer coisa" que, não sendo tio de alguém, é "ti'" de toda a gente.
Abraço.
De Casepagam a 13 de Novembro de 2005 às 11:43
Quem não teve um ''ti Jaquim'' por perto?
No meu caso, era o ''ti Sebastião''!
De DespenteadaMental a 12 de Novembro de 2005 às 00:52
Ordisi, É que o trapaceiro acabava por preferir casar com a menina que ele cantara a ter de ouvir o ti'Jaquim "cantar-lhe" um sermão daqueles, cada vez que o encontrava.
Beijo.
De OrdisiRaluz a 11 de Novembro de 2005 às 23:31
Levava a casar o trapaceiro! Poderoso mesmo o tio! Bjs.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds