.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Sexta-feira, 8 de Outubro de 2004
Das crenças
Spring Rain_Alan Sakhavarz.jpg


Dizem os pescadores
que o mar tem dores*
e as grita em marés súbitas ou erupções de água.
Se as aves falassem,
talvez nos confiassem
que o céu também tem dores e grita em chuva farta a sua mágoa.
Por isso, solidárias, as aves a aceitam e não receiam.
Recolhem-se no seu mundo de penas,
com pena do céu em que volteiam.



(imagem: “Spring Rain” - Alan Sakhavarz - http://www.art.com)


*Há uns anos, assisti, em Sesimbra, a uma maré súbita, breve e estranha (transversal à linha da praia). Ao comentá-la, recebi como resposta, dada com toda a naturalidade: - Ah... isso foi uma dor que o mar teve!...
Limitei-me a dizer que era a resposta que eu menos esperava, mas que, após ouvi-la, não queria mais nenhuma, porque nenhuma outra poderia deliciar-me tanto quanto esta, que me falava da irmandade entre os homens do mar e o mar.




</p>


publicado por DespenteadaMental às 22:43
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De DespenteadaMental a 10 de Outubro de 2004 às 14:27
Regina, a primeira sensação que tive, ao ler o seu comentário, foi a de que ficara sem palavras. Normalmente, lido bem com elas, mas, por vezes, fico embaraçada com o que elas me trazem de volta. Por isso, parei e concluí que o que ficara fora sem encontrar as palavras certas para agradecer as suas, mas não desisti de o fazer. Assim, além de agradecer a visita e, se me permite, de tornar o agradecimento extensivo a quem a 'guiou' até mim, quero dizer-lhe que fiquei emocionada, por saber que o seu encantamento pela poesia me alberga sob o mesmo tecto que o Fernando Pessoa e, certamente, tantas outras pessoas que fizeram/fazem da poesia um espelho da alma. Obrigada, Regina, por tudo isso. Um beijo.
De Regina a 10 de Outubro de 2004 às 12:43

Querida Marg. Chamo-a assim pois sua sensibilidade me é demais familiar. O Marg. copiei do Tristão. Queria apenas te dizer que sua poesia me encanta! Sempre adorei poesia, desde menina pobre nesta Terra Brasillis... tenho uma edição antiga de poesias de Fernando Pessoa e confesso, muitas vezes lia e não entendia mas no fundo sabia que fazia bem para minha alma. Me indicaram seu blog e confesso " caí de quatro".Passei muito tepo lendo. Um beijo carinhoso em seu coração e espero poder ainda ler tantas coisas belas que saem de sua alma. Aprendí que a poesia amolece a dureza da caminhada... para quem faz e para quem lê. Beijos . Regina

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds