.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Quarta-feira, 2 de Março de 2005
Em vão...
Evening repose_Pino_Art com.jpg

Fogem os olhos do livro em que não vives,
já cansados de entrelinhas tão desertas,
e buscam na lonjura da parede,
branca tela de um cinema que é só meu,
o perfil, que um dia recortaram
e, ansiosamente, projectaram,
tanto, tanto... que se desvaneceu.



(imagem: “Evening repose” – Pino – art.com)

publicado por DespenteadaMental às 23:07
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De DespenteadaMental a 4 de Março de 2005 às 00:23
João David, Olá! E que tal foram os dias de anti-rotina? Bons?... Desejo que sim.
O poema foi sugerido pela imagem, isto é, pela interpretação que fiz dela. Talvez outra pessoa ou mesmo eu, num outro momento, a "lesse" de modo diferente.
Mas, se gostou, isso é que importa! Fico contente.
Obrigada e um abraço.
De DespenteadaMental a 4 de Março de 2005 às 00:19
'náufrago', Deixar fluir é o que faço. Também não sei fazer mais nem melhor ;)
Abraço.

De DespenteadaMental a 4 de Março de 2005 às 00:14
'Pilantra', Ops!... Será que há razão para tanta secura?... Desejo que não!
Abraço.
De DespenteadaMental a 4 de Março de 2005 às 00:12
Luís Sequeira, Voltei ao registo anterior, até que alguém me faça "pegar em armas", de novo. Oxalá ninguém se apresse.
Abraço.
De joao_david a 3 de Março de 2005 às 17:38
Olá,
Não estão desertas as entrelinhas deste belíssimo poema, estão repletas de sensibilidade e de desencanto sofrido. Gostei muito.
Um abraço

De n a 3 de Março de 2005 às 16:36
pois, eu não sei nada de poesia. poesia não é coisa de que se saiba, vive-se.

está-lhe no sangue! deixe-a fluir e, passe-nos um pouco como agora.

:)
De Pilantra a 3 de Março de 2005 às 01:15
Hoje secaram-se-me as palavras. Um beijo.
De Lu a 3 de Março de 2005 às 00:55
carissima, mudança de registo (que os tempos são mais propícios a pensamentos outros) a qualidade dos escritos continua um bálsamo. Aqui venho dar alimento ao cérebro tão cheio de modelos económicos, papers, artigos e outra papelada. Obrigado por partilhar estas joias.
Um abraço.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds