.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2004
Ilusões temporárias
Mount Rainier sunset_Art com.jpg


Há dias que a noite, fora de horas, entrecorta...
É quando a luz do sol pouco me importa,
porque os meus olhos teimam em não vê-la...
Fecham-se e, no céu escuro em que se escondem,
nem a memória de ti pode ser estrela...</p>

Há noites que o dia, alongado, manda embora...
É quando a luz do sol vem e ancora
num momento precioso que se estende
por cima dos relógios calculistas
a que o dia, solidário, não se rende...



(imagem: “Mount Rainier sunset - www.art.com)

publicado por DespenteadaMental às 17:41
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De DespenteadaMental a 5 de Dezembro de 2004 às 13:31
Olá, tounalua! É!... aqui, em baixo, é assim - toda a escuridão tem uma luz e toda a luz tem uma escuridão. Vale a que for predominante. Beijo
De DespenteadaMental a 5 de Dezembro de 2004 às 13:28
Vampíria, agradeço a visita e as palavras. Beijo
De tounalua a 5 de Dezembro de 2004 às 11:02
Há dias de lua e noites de sol...
Podemos então sentir que toda a escuridão tem uma luz?
Lindíssimo, o teu poema.

De Vampiria a 3 de Dezembro de 2004 às 18:11

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds