.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2005
No aniversário de Eugénio de Andrade
Eugenio de Andrade.jpg</p>


Adeus

Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes!
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.
Mas isso era no tempo dos segredos.
Era no tempo em que o teu corpo era um aquário.
Era no tempo em que os meus olhos
eram os tais peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade:
uns olhos como todos os outros.

Já gastamos as palavras.
Quando agora digo: meu amor...,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.




(poema de Eugénio de Andrade)
(imagem: “Eugénio de Andrade” – foto parcial - www.instituto-camoes.pt)

publicado por DespenteadaMental às 22:44
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:28
Lina, também gosto deste poema, apesar da tristeza ou sensação de perda que ele indicia.
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:26
Luís Sequeira, talvez o poeta, ao olhar a foz do Douro, tente vislumbrar, na corrente do rio, alguns fios de água do antigo aquário.
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:22
'tounalua', os poetas costumam antecipar-se e escrever os 'recados' que haveremos de dar, um dia. Depois, o tempo envolve-os e devolve-os, novamente, na sua forma original de simples poema.
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:16
Luís, mais duro deve ter sido, para o poeta, senti-lo nascer.
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:12
António Viriato, não sei se as palavras perdem valor por estarem gastas, ou se é por estar gasto o 'cenário' em que, antes, eram valiosas.
De DespenteadaMental a 21 de Janeiro de 2005 às 21:09
Atrasada, mas tentando responder a todos os comentários.
De Lina a 21 de Janeiro de 2005 às 00:37
Adoro este poema... obrigado por poder le-lo novamente. beijinho Lina*
De Lu a 20 de Janeiro de 2005 às 15:27
Cara Despenteada
quero-te enviar um e-mail, mas não consigo descobrio o teu endereço electrónico. Importas-te de me contactar para eu ficar com o teu e-mail?
Luís
De Lu a 20 de Janeiro de 2005 às 14:23
Recordo bem um belo dia em que participei (diria antes assisti) a uma conversa daquelas que não devem ter fim entre o falecido António Paulouro (directod do Jornal do Fundão) e Eugénio de Andrade viviam uma cumplicidade sem dimensão numa comunhão do génio. Eugénio preparava a apresentação do livro "terra de minha mãe" com belas fotografias de Dario retratando a sua terra Póvoa de Atalaia.
A leitura pública que o Eugénio de Andrade fez naquela noite, não a esqueço. Figura franzina, projectado pela sua voz, mas sobretudo pela força das suas palavras, ganhou uma dimensão maior. Aqui no Porto onde vive, observa com olhar sábio a foz do Douro. Um dos nossos grandes poetas.
De tounalua a 20 de Janeiro de 2005 às 07:19
Este poema do Eugénio de Andrade acompanhou-me a vida durante algum tempo. Li-o e reli-o e disse-lhe algumas passagens, a mim mesma e a outra pessoa, por várias vezes. Até chegar a altura de o deixar guardado dentro do livro.
Hoje soube-me bem reencontrá-lo.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds