.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Terça-feira, 15 de Junho de 2004
Poema a quatro mãos
Amarilis mouth_foto de Ricardo Monteiro.jpg



Lembras-te daquele dia em que o amor
corria entre nós dois como um corcel
e eu desenhava em ti todo o langor,
fazendo da tua pele o meu papel?...</p>

E de quando, meigamente e devagar,
tão devagar como quem levanta um véu,
roçaste os meus lábios e, ao beijar,
me disseste: - a tua boca é o meu céu!...?

Sorri, sem suspender o doce beijo,
carícia em que me entrego, em que me dôo
e ganho asas, com o teu desejo...
Sabes que o teu desejo é o meu vôo?...

Como são largos os céus em que ele me lança
e onde invento carícias que em ti deponho...
E quando a minha alma a tua alcança,
ouço: - a tua inspiração é o meu sonho!

Afundando-me no mar do teu desejo,
tão fundo quanto a volúpia me permite
e, atingindo o vórtice, eu sinto e vejo
que a tua satisfação é o meu limite.



(imagem: "Amarilis mouth" - foto de Ricardo Monteiro - Álbum da natureza)

publicado por DespenteadaMental às 11:23
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De por a 16 de Junho de 2004 às 10:05
Inquieta, eu sabia que quem me conhecesse iria surpreender-se, porque eu também me surpreendi... Nunca me aventurara por estas alamedas, mas, confesso, gostei do passeio... rs... Também gostei de saber que se emocionou. Beijo e até daqui a uns dias...
De inquieta a 16 de Junho de 2004 às 05:37
Meu Deus Por.... nao conhecia esse lado seu. Que bonito!!! me emocionou
Beijo e saudade
De DespenteadaMental a 15 de Junho de 2004 às 16:30
Fernando Pessoa dizia que "o poeta é um fingidor...". Não sei se é isso. Estou mais em crer que o poeta é um imaginativo e que, a partir de uma brincadeira ou de um desafio feito de frases poéticas, consegue criar/descrever um ambiente que contextualize os "motes". Fico grata pelas palavras - as iniciais e as consequentes. Umas, porque me deram inspiração; as outras, porque expressam o quanto as primeiras se sentem representadas. Obrigada pelo duplo apoio. Um beijo...
De Fernando a 15 de Junho de 2004 às 14:31
Ficou lindo! Quem diria que de uma brincadeirinha nascesse algo tão inspirado? Só você, com a alma e sentimento poético, conseguiria tal milagre...Tens o dom da sensibilidade e da cratividade que só alguns poucos privilegiados possuem. Só me resta parabenizá-la pelo conjunto dos teus poemas, que demonstram a linda pessoa que existe em ti!! Continue a nos presentear com teu talento!!

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
.Fazer olhinhos
blogs SAPO
.subscrever feeds