.posts recentes

. A quem me tem acompanhado...

. A “Praça da Canção”

. “Cântico azul-marinho e v...

. Espiral mental

. Dos rios e dos homens

. Haja coragem!

. Ainda falta muito para ac...

. Má sorte

. Vincent da Rocha Dioh - 1...

. Canção de Amigo para “ami...

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Março 2004

Domingo, 24 de Outubro de 2004
Ver, ler e crer
Chalk Cliffs of Rugen_Caspar David Friedrich.jpg


Lançando o olhar na lonjura que convida
a deixarmos o espaço que nos enquadra
e a olharmo-nos de onde somos nada,
é que entendemos a dimensão da vida.</p>

Recuando aquém da cena reduzida,
há, porém, outra visão que nos aguarda
- o mar, o abismo, a cena rodeada
por um coração. Romântica guarida.

Há poetas cuja rima é a pintura
ou pintores cujos quadros são poesia,
para os sentidos de quem os vê e lê.

E é no mundo da arte, nesta urdidura
de fios suaves, tecidos dia a dia,
que a pobre alma desta escriba ainda crê.



(imagem: “Chalk Cliffs of Rugen” - Caspar Friedrich - http://www.art.com/)

publicado por DespenteadaMental às 20:48
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO
.subscrever feeds